Seu bolo faz um sorriso no meu estômago

A Jornada de Sustentabilidade de Novembro traz a história da Hilda Almeida. Empreendedora no ramo da confeitaria, Hilda é uma das participantes do projeto “Lamberti Transforma II”.

Confira a sua história abaixo!

Hilda Almeida é uma mulher guerreira e alegre de 55 anos que não se deixa abater pelas adversidades da vida. Mãe de dois filhos, uma universitária e um rapaz de 10 anos, carrega em seus braços a responsabilidade de cuidar dos filhos, da mãe e da sobrinha. Hilda precisa sempre se reinventar e se fortalecer para seguir em frente, e rodeada por pessoas que querem o seu bem, busca sempre sorrir para vida.

É uma mulher apaixonada por doces e bolos, mas demorou para iniciar sua jornada nesse mundo. Por muito tempo trabalhou como supervisora de operações em institutos de pesquisas até que ficou desempregada em junho de 2018. Precisando se reinventar, em maio de 2019, Hilda decide então fazer bolos para vender, unindo sua paixão com a necessidade de renda para manter a família.

Sua primeira experiência de venda foi em um encontro de mulheres que sua filha a convidou para ir em julho de 2019. Levou alguns bolos de pote em sua caixa térmica sem grandes pretensões. Contudo, seus bolos fizeram tanto sucesso que recebeu várias perguntas de como fazia para receber pedidos ou se também fazia bolos para festa.

Aproveitando a felicidade do primeiro sucesso de vendas, Hilda aceitou pela segunda vez o conselho de sua filha: arriscou vender na Universidade Federal do ABC, onde a filha estuda. No começo, os alunos da universidade não a conheciam, mas não demorou para Hilda se tornar um fenômeno no campus de São Bernardo do Campo.

Em pouco tempo, as receitas de bolo de pote de Hilda foram se aprimorando a ponto de conseguir vender em média mais de  32 unidades por dia com possibilidade de expandir as vendas. Em 2019, Hilda avalia que teve um bom lucro com a venda de bolos, não tendo certeza sobre o valor, pois na época não realizava qualquer tipo de controle financeiro.

Foi nessa época que Hilda conheceu um amigo de sua filha, Lucas Faustino, estudante do curso de Políticas Públicas da UFABC.

Hilda em frente ao Restaurante Universitário, ponto de maior tráfego de estudantes.

Da crise nascem os reencontros

A pandemia de Covid-19 foi um banho de água fria para Hilda. Com a universidade adotando o modelo remoto de ensino para evitar as contaminações, Hilda perdeu o seu principal público, literalmente, de um dia para o outro. A expectativa era que tudo se normalizasse em algumas semanas. De semanas, a expectativa subiu para meses e depois anos.

Nos seis primeiros meses de pandemia, Hilda priorizou a segurança de sua família. Após esse tempo, precisou focar na venda de bolos para festa, embora o volume de pedidos deles não fosse tão grande.

Bolo barril de Hilda, uma verdadeira obra artística e culinária.

Aproveitando para se reinventar, Hilda se movimentou e fez um teste: colocou uma banquinha em frente de casa e ficava ali, vendendo o que conseguia e se tornando novamente uma referência de bolos (e salgados que experimentou vender, mas logo parou por perceber que não estava dando lucro).

Hilda continuou com esse jogo de cintura, entre atender pedidos de bolo de festa e realizar a banquinha em frente de casa até o começo de 2022, quando teve que se mudar de bairro e não foi mais possível continuar com a prática, acarretando, pela segunda vez durante a pandemia, uma perda de seu público.

Em 2022, Lucas Faustino, fazia parte da equipe da AdC como Coordenador do Projeto “Lambert Transforma II” e durante a reta final do período de inscrições em março, Lucas se lembrou de Hilda e pensou em convidá-la para se inscrever e participar do projeto.

Às vezes o que nos falta são orientações

A primeira atividade do projeto aconteceu no dia 28 de março, e de lá para cá, Hilda participou ativamente das 21 capacitações e das 9 assessorias que teve até o momento.  Durante uma dessas atividades, uma assessoria coletiva de marketing ministrada pela voluntária Tatiana Stein, no dia 25 de agosto, Hilda compartilhou com suas colegas a sua alegria por fazer bolos e doces, e de como essa atividade lhe enche de paixão ao ver a magia de misturar diversos ingredientes e deles sair um sabor que encanta o paladar de todos.

Durante esse encontro, Hilda compartilhou que uma aluna da UFABC certa vez lhe disse que “seu bolo faz um sorriso no meu estômago”. Tatiana, aproveitando a deixa do exemplo, disse que esse poderia ser um bom slogan para a marca de Hilda e que ela e a turma poderiam aproveitar das opiniões dos clientes para fortalecerem os seus negócios.

Assessoria coletiva ministrada por Tatiana Stein para empreendedoras que trabalham com o ramo alimentício. Hilda se destacou com exemplos durante o encontro.

Como podemos ver, Hilda é uma mulher aguerrida, alegre e apaixonada pelo o que faz, entretanto, a queda nas vendas provocada pela pandemia, a falta de planejamento e de controle financeiro, bem como a alta acelerada no preço dos alimentos provocada pela inflação, estavam deixando-a cabisbaixa e em sua mente rondava a ideia de desistir.

Foi nesse contexto que ingressou no projeto da Lamberti Transforma II.

É preciso ter controle para avançar

A principal fraqueza de Hilda era o controle financeiro. Não realizava anotações e não tinha clareza do quanto estava arrecadando ou gastando por mês. A primeira orientação dada pela equipe da AdC à Hilda foi realizar um fluxo de caixa, que Hilda prontamente iniciou em um caderno.

Após esse momento de conscientização sobre a importância do fluxo de caixa, o segundo momento para Hilda foi ter um melhor controle financeiro do seu negócio e realizar uma precificação de seu produto. Nesse momento Hilda ficou chocada, estava tendo prejuízos na venda de bolo de festa de 1kg. Vendia cada bolo por R$ 65,00, contudo, o custo mínimo para prepará-los não era menos de R$ 70,00 de custo variável. Atualmente vende o bolo de 1kg por R$ 80,00. (Aqui vale notar que, quanto maior for o peso do bolo, mais barata fica sua produção).

Foto de Hilda com Lucas, durante assessoria presencial que aconteceu no campus de São Bernardo do Campo da UFABC

Foi então que Hilda decidiu mudar de postura e reprecificou seus produtos. Além disso, Lucas incentivou Hilda a voltar a vender na UFABC. As aulas haviam voltado e o campus estava recheado de estudantes que poderiam ser mais uma vez o seu público-alvo principal.

Imagem do Instagram de Hilda com comentários de alunos da UFABC

Ao voltar a realizar as vendas no campus, Hilda já estava chegando ao mesmo patamar pré-pandemia, com apenas alguns dias. Lucas, inclusive, observou que durante uma assessoria presencial, Hilda havia vendido todos os seus bolos (consegue levar 29 por dia) e apareceu pelo menos outros 10 alunos procurando, tudo isso durante duas horas de vendas.

Por fim, Hilda também entendeu a importância de criar metas e cumpri-las. Num primeiro momento, Hilda decidiu que gostaria de vender 400 unidades de bolo de pote por mês, gerando um bom faturamento mensal, e um bom lucro para custear sua casa. Após isso, a meta seria vender 450 unidades e quem sabe 500 unidades mensais. Esse planejamento também está vinculado a um preparo para os meses que não consegue vender por conta das férias escolares.

Assim, percebemos que o acompanhamento dado pela AdC à Hilda foi crucial durante o projeto Lamberti Transforma II. Além de ter mais controle sobre o seu negócio, Hilda se sentiu mais encorajada. Além de forte, risonha e guerreira, Hilda também gosta de se fortalecer com pessoas queridas.

Maria Marcelino