A Associação Aventura de Construir possui o lema “Acompanhando protagonistas”, que está também ao lado da nossa logomarca como um pay-off.

O lema serve para expressar em pouquíssimas palavras o propósito de existir de uma instituição. No nosso caso, tenta dizer mais: diz o que queremos construir (protagonistas) e como queremos construí-lo (com acompanhamento). Vale ressaltar que nosso contexto é sempre o trabalho com microempreendedores.

POR QUE PROTAGONISTAS

Diante de mudança de época que vivenciamos desde o século passado, vemos que se torna cada vez mais evidente o medo e a fragilidade de um indivíduo de encarar a realidade. Isto se expressa no funcionário que foge ao trabalho, no patrão que foge das responsabilidades, na família que falta com as bases para uma criança sadia.

Todos os dias nós tergiversamos dos nossos problemas reais em busca de algo que tome o lugar daquela que deveria ser nossa principal inquietação, com a qual escolhemos não lidar. Esse é o problema do nosso tempo: os problemas são complexos; diante deles, nos fazemos pequenos e escolhemos fazer outra coisa que nos engana e nos conforta. O que é mais fragilizado é a pessoa na sua iniciativa perante a realidade.

Nesse sentido, a Associação Aventura de Construir aposta no protagonismo do indivíduo em desafiar a realidade e seus limites, instigando novas ações e novos encontros que movam nosso público alvo a se tornarem artífices do seu próprio desenvolvimento – incluindo seu próprio negócio, caminho que eles mesmos escolhem.

COMO ACOMPANHAR PROTAGONISTAS

O acompanhamento de nossos beneficiários ao longo do tempo ajuda a erguer esses protagonistas, pois são indivíduos marcados por uma vida dura ligada à pobreza, famílias desestruturadas e descaso do próximo. Somando-se lacunas educacionais severas, como analfabetos funcionais, mostrar o caminho a percorrer nem sempre é suficiente – é preciso trilhar este caminho com ele.

Por isso, as mentorias e assessorias são o acompanhamento sistemático do indivíduo na concretização dos seus planos. Usando seus pontos de força, oportunidades do seu contexto, e aspirações pessoais, é possível traduzir suas conquistas futuras em um plano de atividades útil e prático. É sobre este plano que trabalhamos com os empreendedores, oferecendo também conhecimento técnico e microcrédito quando a situação exige.

Não é fazer no lugar do empreendedor, mas fazer com ele. Só o protagonismo próprio pode de fato quebrar as amarras daquele empreendedor, visando sua iniciativa. A proposta da Aventura de Construir é unir investimento social e programa de voluntariado corporativo em um encontro mentor-microempreendedor que celebra a liberdade de ambos percorrerem caminhos diferentes, porém que compõe uma situação win-win-win (voluntário-empreendedor-empresa).

IMPACTO DE LONGO PRAZO

Nosso projeto, portanto, consiste em agir nos problemas de fragilidade e de mercado que esses empreendedores possuem de forma que o impacto positivo que geramos seja durável. É possível, claro, oferecer comida ou um centro de reabilitação ou uma quadra de esportes ao nosso público alvo, pois são necessidades reais.

No entanto, escolhemos lidar com a vulnerabilidade social sob estes dois aspectos (empoderamento e geração de renda própria) porque esta abordagem permite evitar muitos dos problemas sociais tradicionais, como a falta do que comer, o abuso de substâncias tóxicas e permite a solução de problemas locais, como falta de local para lazer e esportes. O pai de família que arduamente toca seu negócio mostra aos filhos mais do que o valor do trabalho, mas que a vida vale a pena ser vivida com protagonismo diante das sazonalidades positivas e das negativas.

Como se não fosse o suficiente, a Aventura de Construir desta forma incide sobre 5 dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável que nortearão o desenvolvimento econômico e social dos países até 2030, como Educação de Qualidade, Emprego Digno e Crescimento Econômico, Redução das Desigualdades, Cidades e Comunidades Sustentáveis e Combate às Alterações Climáticas.

Esse é o diferencial entre apoiar um projeto que gera sustentabilidade e outro que gera dependência.

Silvia Caironi

Adriano