Pascoa não é uma semana como as outras, sobretudo se você tem uma loja

Uma semana que vale dois meses: essa é a Pascoa para os microempreendedores que entrevistamos. Nós ficamos pensando no cardápio do almoço pascoal, em como cozinhar o bacalhau na sexta-feira santa e nos ovos de chocolate para as crianças. Quem trabalha no varejo, especialmente no setor alimentar, está ocupado em comprar as matérias primas, gerenciar o estoque, organizar a produção. E está preocupado nas vendas: qualquer erro ou fracasso nesse período vai impactar muito nos resultados do empreendimento.

Saber-se organizar é crucial

Processos e organizações que funcionam em tempos normais podem entrar em crise quando tem picos de demanda. A experiência ajuda, como nos conta Cristina que tem uma confeitaria: “Quando comecei o negócio, há 15 anos, antes de Páscoa me sentia nervosa. Chegava a desperdiçar muito produto para fazer ovos, cometia deslizes e nem sempre atendia a expectativas. Mas a “prática fez a perfeição” e hoje não me sinto nervosa e não deixo de atender ninguém adequadamente”. Mas é sempre bom parar algumas semanas antes para pensar o que deu certo e o que deu errado nos anos passados, no que mudou e no que precisa. É melhor prevenir do que remediar, especialmente se não tem remédio até o próximo ano!

Oportunidade de confraternização

É Páscoa para nós também, não é? “É um período bom para os negócios e para a família: dá para sonhar mais alto e se entusiasmar. Às vezes dá para comprar algo que não daria para comprar em outras épocas.” Eliane e vários outros empreendedores nos falaram da importância da Pascoa e das outras festas para a motivação pessoal, da família e da equipe. “É a única época em que contratava funcionários e os demais membros da família ajudavam. Assim um período de negócios se tornava um momento familiar, um teste de união” ressalta Cristina. Comemorar festas ou bons resultados ajuda criar um clima positivo e gerar aquela satisfação que é como o óleo no motor: sem esse pode até rodar, mas quanto esforço! É bom lembrar que a satisfação depende das expectativas: as vezes vale mais uma surpresa que um aumento de salário (e a surpresa pode ser mais barata).

E se a Páscoa acontecesse todos os dias?

”Os ovos são sempre o nosso carro chefe”, “Continuo com os preços de antes”. Com tanto em jogo, faz muito sentido não arriscar com coisas novas. Ao mesmo tempo a criatividade pode abrir horizontes novos: se a Páscoa é tão forte para aumentar as vendas, não seria bom criar mais Páscoas no ano? Ou pequenas Páscoas todos os dias? Parece impossível, mas é o que fez Michele Ferrero, fundador da Ferrero e inventor da Nutella e do Rocher, que teve um sucesso espantoso vendendo pequenos ovos de Páscoa (os “ovinhos Kinder”) com surpresas divertidas que as mães não podiam não comprar quando as crianças os viam nos estantes dos supermercados.

Que espaços criativos despertam estas histórias de sucesso entre microempreendedores? Que desejo de superação geram no coração? Que mobilização de recursos para ir atrás destes desejos até converter a Páscoa numa oportunidade de todos os dias???

Pensamos deixar estas perguntas como provocação porque a experiência da Ferrero, assim como aquelas da Cristina e da Eliane em contextos diferentes, leva consigo uma lição que nos ensina a descobrir como crescer, cuidando dos nossos clientes, dos nossos parceiros e de todos os que permitem que o nosso empreendimento se torne grande!

Silvia Caironi

Adriano