Para o famoso Peter Drucker, a inovação é a tarefa de dotar os recursos humanos e materiais de nova e maior capacidade de produzir riqueza. Inovação, principalmente, é a capacidade de uma empresa criar um consumidor.

Toda a empresa, certo ou tarde, em algum nível, precisará inovar. Umas conseguem inovar tecnologicamente, com grandes orçamentos e grandes profissionais que conseguem entender bem uma necessidade do mercado ainda não atingida.

Quando falamos de empreendedores de subsistência há uma dificuldade latente em criar coisas novas porque estão sempre focados nas atividades de ganho imediato, não naquelas que poderiam ser disruptivas. Isso demonstra a grande pressão que a nossa realidade nos impõe de sempre responder a ela, e normalmente usamos a primeira coisa que temos em mãos ou que estamos acostumados a fazer.

A inovação não precisa de grandes investimentos ma da percepção de necessidades reais

Há, no entanto, sempre espaço para o diferente e para o excedente. Basta atender a necessidades reais.

O garoto skatista que produz manualmente shapes de skate para vender aos conhecidos passou a usar vibra de vidro junto com a madeira, para que o produto seja mais leve, flexível e durável. O serralheiro que adapta suas ferramentas de acordo com as necessidades do pedido e as necessidades do que precisa construir… Os exemplos continuam, dos mais simples aos mais complexos.

É importante lembrar que “disruptivo” pode ter diversos significados – será que produzir duas vezes mais por dia não é disruptivo em certos contextos? Ou oferecer um produto feito manualmente e de melhor qualidade?

A inovação pode ter impacto consideráveis para um microempreendedor quando conversa com seu contexto e dos seus clientes, oferecendo uma resposta refletida e original. Por isso, o tema da capacitação de novembro da Aventura de Construir será “Como inovar no seu negócio”.

O objetivo é colocar os microempreendedores a pensar a respeito dos principais problemas que enfrentam como empresários, quais as reais necessidades dos seus clientes e como encontrar maneiras diferentes de “ligar os pontos”, criando um espaço para estimular respostas eficientes a problemas reais mesmo nos negócios mais simples, como a venda de comida ou roupas. Por outro lado, vamos questionar a ideia de que inovação é sempre baseada em vastos recursos ou grande escala.

Inovamos conversando com o World Café

Para isso, usaremos a metodologia chamada World Café: é uma conversa estruturada por algumas questões pré-definidas que procura trabalhar coletivamente a diversidade e complexidade do conhecimento em um grupo de pessoas, fazendo emergir a inteligência coletiva. É com este processo também inovador que vamos levantar os principais elementos da inovação aplicada a microempreendedores!

Será um mês de muito aprendizado que terá a presença de Tania Pereira Christopoulos, professora da Universidade de São Paulo na área de Administração com ênfase em gestão da informação, a qual será nossa convidada especial sobre o tema. É importante superar as barreiras da inovação que parece fruto da genialidade de visionários com mentes especiais e de grandes investimentos, pois ela é também fruto dos empreendedores comuns que vivem o cotidiano com criatividade e com responsabilidade. Inovar é uma necessidade do empreendedor a fim de criar boas respostas à sua realidade. Vamos juntos nessa aventura!

Silvia Caironi

Adriano