Educando para empreender: a visão de novos empreendimentos

No texto desta semana falaremos sobre empreendedorismo e sobre um novo formato de projeto que a Aventura de Construir (AdC) está desenvolvendo com a empresa Aluthaico.

Convidamos Franklin Menezes, consultor sênior da área de desenvolvimento da AdC, que está à frente do projeto, para nos explicar melhor e nos contar sobre sua experiência na área da educação e empreendedorismo.

Confira abaixo!

Nos conte um pouco sobre você.

Me chamo Franklin Menezes, sou consultor sênior na Aventura de Construir e estou aqui desde 2020, bem no início da pandemia. Eu entrei em fevereiro e ela iniciou em março. Eu sou mestre e doutor em Administração e tenho MBA em Marketing Digital, também sou formado em Administração. Tenho uma carreira tanto na indústria, quanto na área varejista, comércio estatal, SENAI, SENAC, SEBRAE, fui agente de inovação e sou consultor há mais de 10 anos. Atualmente, antes de entrar na AdC, iniciei minha carreira como professor universitário de Administração, Contabilidade, Pedagogia e Logística.

Como você conheceu a Aventura de Construir?

Quando iniciei meu doutorado, comecei a procurar empregos que pudesse conciliar com os estudos e encontrei a vaga da Aventura de Construir, em um site do setor 3. Estava em processo em mais dois lugares, mas quando entrei no site da AdC fiquei bem impactado com o trabalho que estava sendo realizado e dentro de uma área que eu gosto, o empreendedorismo. Conciliando as duas coisas, até hoje eu trabalho com o que gosto, que é ajudar os empreendedores a se desenvolver.

Para você qual é a importância de trabalhar com educação e empreendedorismo?

Eu tenho uma bandeira que trago comigo, desde a época da Universidade, que é colocar temas de empreendedorismo dentro da educação básica. Nas instituições em que trabalhei, sempre consegui colocar esse tema nas atividades realizadas, porque eu sempre entendi que o Brasil tem uma dificuldade em colocar em prática as boas ideias que as pessoas geram e acaba ficando apenas no mundo da ilusão, sem se concretizar na prática . Então comecei a fazer esse trabalho de pensar e realizar. Por exemplo, uma vez fiz uma atividade de empreendedorismo com alguns alunos. Dei 20 reais para cada grupo, por volta de 8h, e falei para eles fabricarem brigadeiros. Ao meio dia eles tinham que voltar e me mostrar como fabricaram, e trazer lucro. Além da fabricação e da venda, eles tiveram que apresentar o layout de fabricação, como pensaram e depois realizaram. Foi uma experiência muito boa. Tanto que uma aluna, após um tempo, se mudou para São Paulo, iniciou vendendo brigadeiro e hoje em dia é uma empresária. Então quando você enxerga uma vez que é capaz de realizar algo que possa se desenvolver posteriormente, isso estimula a compreensão e desenvoltura para ações.

Como funciona a consultoria?

O trabalho é realizado a partir de um método e sequência. Não trabalhamos com os empreendedores antes de um diagnóstico, porque é método da AdC a partir da realidade de cada um. Então primeiro é feito o diagnóstico, para entender a realidade dele e então eu poder direcionar as possíveis ações. Não impor, apenas direcionar, porque outra premissa é de tornar o próprio empreendedor protagonista da sua vida.

Após o diagnósticos, falamos sobre as opções de ações. O empreendedor identifica qual acredita que seja melhor e a gente dá o suporte, que é o acompanhamento dessas ações, com ele desenvolvendo o trabalho. Isso faz com que tenha um ciclo, porque quando um empreendedor é bem atendido, ele comenta com outros empreendedores que vão ficar interessados em, também, melhorarem seus negócios.

Além disso, está no nosso método agir no local. Mais especificamente, nosso ponto 5 do método fala em atuar com visão G-local. Porque quando o empreendedor da região tem sucesso no seu negócio, ele vira uma referência no local onde está inserido, causando uma mudança indiretamente.

Me conta um pouco sobre esse novo projeto que você está trabalhando

Estamos trabalhando com a Aluthaico, que atualmente é o nome fantasia da empresa. Eles pretendem fabricar esquadrias com foco para prédios residenciais. O projeto consiste em realizar um plano de negócio para a empresa, que é o procedimento certo. Antes de iniciar um empreendimento, é necessário fazer um plano de negócio, que seria a construção da empresa no papel, passando por todas as áreas, pensando em tudo que é necessário para você construir a organização e para diminuir os riscos, principalmente, os financeiros.


Então o proprietário entrou em contato com a Aventura de Construir para pedir um auxílio na realização desse plano de negócio. E o grande diferencial desse projeto é no direcionamento do nosso público. A Aluthaico já começa como uma micro empresa, diferente da maioria que atendemos, que são informais. A empresa tem essa característica diferente do nosso público tradicional.

O projeto da Aluthaico tem a duração de 4 meses e conta com o plano de negócios que vai ser realizado desde a análise de mercado, passando pela parte de localização, exigências legais, estrutura do negócio, equipamentos e máquinas, processo de produção, quais investimentos e custos que vão ser realizados, formação de preço, eventos, sindicatos, cooperativas relacionadas e etc. Estamos trabalhando o plano de negócio dela nesse escopo, entre outros itens que também estamos trabalhando, como a questão tributária, dicas de negócio e no final vamos fazer um planejamento financeiro, com a ajuda do proprietário.

O que as pessoas mais precisam durante um projeto? É o conteúdo ensinado ou o acompanhamento?

Eu creio que é um complemento das duas coisas, porque um empreendedor quando chega na AdC, geralmente é um empreendedor que já está com alguma dificuldade, principalmente na parte financeira. Então eles buscam conhecimento e procuram ajuda, mas geralmente não sabem qual é a real ajuda que precisam, é quando juntamos nossos conhecimentos e partindo da realidade do empreendedor, conseguimos ajudar a identificar o problema, dando uma base para os demais temas e realizar o acompanhamento deles, o que se torna um laço forte, pois eles tem o problema resolvido.

Quantos projetos você já participou na Aventura de Construir?

Uma média entre 12 e 14 projetos, participei em quase todos desde que eu entrei, porque os empreendedores precisam de muita ajuda na questão financeira e como é minha especialidade eu participo dando um apoio.

O que te motiva e inspira nesse trabalho?

Eu trabalhei desde a infância com o meu pai. Ele tinha um comércio, e quando eu tinha 11 anos ele mandou eu e meus irmãos para cuidar do negócio. Mas o meu pai não entendia de gestão. Ele falava pra gente anotar tudo, e a gente anotava, mas depois da anotação a gente não sabia o que fazer. Quando eu entrei no curso de Administração, começou a fechar essa lacuna que a gente tinha, e quando eu comecei a trabalhar no SENAI, comecei a ter noção do que fazer. Fiquei então com bastante conhecimento em atuação de pequenos negócios.

Hoje tenho um carinho muito grande por esses empreendedores porque eu lembro que não tinha ninguém para nos ajudar. Então eu entendo a dificuldade que o empreendedor passa, porque ele até anota, mas ele também não sabe o que fazer com aquilo. Tem muita gente por aí tendo prejuízo porque não sabe, e isso me motiva. Eu sei que se eu quiser trabalhar a vida toda com pequeno negócio, eu vou ter trabalho, e vou poder ajudar além deles, a economia brasileira.

Qual o ensinamento que você leva para vida, pessoal e profissional, com tudo que vivenciou aqui e em outros lugares?

O empreendedorismo é agir. É o pensar e agir. E é isso que eu tenho feito na minha vida, colocando em prática tudo aquilo que eu planejo, por isso acredito que a temática do empreendedorismo também tem que estar presente na grade de ensino.

Vinicius Dutra