Da Terra Nascem Protagonistas: trajetórias, desafios e conquistas (parte 1)

No ano 2021 Aventura de Construir mergulhou no mundo da agricultura orgânica, com o projeto “Vídeo Documentário: Desenvolvimento das habilidades empreendedoras de microprodutores orgânicos de baixa renda” desenvolvido através da lei Rouanet (lei de incentivo à cultura).

Um projeto em que, graças a facilidade de realizar aulas on-line contou com uma diversidade de 25 participantes, de 8 estados do Brasil, que atuam em diferentes setores da agricultura orgânica. No projeto foram realizadas 16 capacitações sobre assuntos da gestão do negócio e da produção orgânica e 96 assessorias individuais e em grupo, de acordo com as necessidades e expectativas de cada participante. 

A partir da experiência do projeto foi produzido o documentário: “Da terra nascem protagonistas” no qual são apresentados 8 depoimentos de empreendedores e dois de especialistas do mundo orgânico: oportunidade para conhecermos a trajetória, desafios e conquistas dos produtores, bem como o impacto e a necessidade da educação para os empreendedores desenvolverem habilidades empreendedoras para a gestão dos seus negócios, assim como, a urgente necessidade da produção orgânica ser sustentável

AS JORNADAS DO PROJETO:

Foram muitas experiências compartilhadas e novos aprendizados – sempre com atenção em partir da realidade e aproveitar a bagagem daqueles que estavam, por  muitas vezes, do outro lado da tela!

Cada processo empreendedor reflete uma série de conquistas realizadas por eles e potencializada pela rede que se formou durante o projeto. Cada história é um universo inspirador! E nós gostaríamos de compartilhar três delas com vocês!

  1. Sandra dos Anjos, de Cajamar, São Paulo, produtora de hortaliças.
  2. Sandra Cintra, de Vila das Belezas, São Paulo, elabora e comercializa marmitas de produtos orgânicos. 
  3. Maria Rose Farias, do Jardim Santa Fé, São Paulo, gestora social e produtora de hortaliças em hortas verticais. 

Nesta Jornada de Sustentabilidade do mês de fevereiro, vamos apresentar a primeira da lista: Sandra dos Anjos, e em março, vocês vão conferir a história de Sandra Cintra e Maria Rose. 

Sandra dos Anjos

A Sandra é um claro exemplo de resiliência e trabalho em comunidade. Há 20 anos foi morar junto com sua família numa terra de assentamento em Cajamar, São Paulo. Os moradores construíram de forma coletiva uma estrutura social e econômica para garantir a sustentabilidade e geração de renda das famílias. Dentre as opções havia a produção e comercialização de orgânicos, caminho adotado por muitos para gerar renda, inclusive a família da Sandra. 

Sandra reflete sua felicidade por produzir orgânicos “No assentamento não se pode usar veneno” o que enche ela de orgulho, pois produz alimentos que são saudáveis para si mesma, sua família e a sua comunidade.

Porém, o mundo orgânico vivencia grandes dificuldades e ainda mais para produtores de propriedades pequenas. Os recursos financeiros de Sandra e sua família vem dos trabalhos temporários do seu marido e da comercialização das hortaliças produzidas por eles.

Uma das dificuldades que a Sandra enfrenta são vender uma quantidade de produtos que lhe proporcione uma renda estável para o sustento da família, e não contar com seguros que garantam uma tranquilidade no processo de produção que permitam mitigar os riscos ambientais, como as secas e geladas, situações que já viveu, e teve a perda total da sua produção.

Os clientes de Sandra são vizinhos e instituições, como as escolas, porém neste tipo de venda não tem um tipo de contrato com garantias de que a compra será efetivada, o que ocasiona que em alguns casos tenha perdas financeiras. A situação mais recente foi quando a pandemia começou e as escolas cancelaram os pedidos dos produtos e a única opção para não perder os alimentos foi doá-los, e inclusive dar como alimento aos animais.  

No curso a Sandra superou diversos desafios, o primeiro deles foi aprender a usar a ferramenta Zoom para participar do curso on-line, entre nervosismo e risos em cada aula experimentava as ferramentas do Zoom, ativando a câmera, levantando a mão para ter a palavra e comentar ou perguntar sobre o assunto discutido.

Outro desafio que dificultava a participação de Sandra: seu celular não tinha espaço suficiente para baixar o aplicativo Zoom e tinha problemas de sinal na sua casa. Sandra procurou soluções, e não o fez sozinha: convidou a sua amiga Célia, que mora no mesmo assentamento e com quem tem compartilhado muitas lutas da vida, a participar do curso, usando o celular da Célia. 

Mas ainda havia a questão da falta de sinal de internet, e para isso a solução foi um pouco diferente: a cada aula elas caminhavam até “a caixa de água perto dos eucaliptos”, o único lugar onde podia pegar sinal, mesmo na chuva participavam das aulas levando um plástico com o qual se cobriam, mas elas não desistiram de participar no curso. 

Sandra cuidando do seu cultivo

Nas primeiras capacitações a Sandra e a Célia se sentiam tímidas por estarem num curso com produtores de grandes propriedades, porém perceberam que os conhecimentos, necessidades e expectativas no mundo orgânico eram as mesmas: produzir alimentos de qualidade e que garantam saúde para os seus consumidores num sistema orgânico sustentável. Com o apoio dos seus colegas do curso e com a coragem delas começaram a participar ativamente comentando e perguntando pontos de geração de conhecimento nas aulas.  

Sandra compartilha que muitas vezes sentia-se distante do que é ser uma empreendedora, porém, durante as aulas foi ganhando confiança e aprimorando o trabalho que realizava. Entendeu que para ser uma empreendedora, não precisava vender uma determinada quantidade, e que ela já era empreendedora. Se reconhecer como empreendedora, fez com que ela percebesse que tem uma empresa com diversos aspectos a cuidar

Nesse sentido, a jornada de Sandra envolveu a busca por novos mercados nos quais comercializar seus produtos, sem depender unicamente de um cliente, vendendo para vizinhos e feirinhas.

Entre outros aprendizados que ela começou implementar na gestão do negócio e no seu lar foi: o planejamento e gestão financeira partindo da realidade e de exemplos práticos que ela vivencia no seu dia dia: “Se faltar um centavo não passa na catraca, tudo dá para economizar, para organizar” e assim  poder cumprir com o objetivo fundamental do negócio: “produzir e vender a produção”.

Uma história aparentemente simples, mas que mostra como uma faísca é suficiente para mudar um entorno! 

Fique ligado que em março seguiremos com outras histórias deste projeto e não perca o vídeo: “Da Terra Nascem Protagonistas”

Vinicius Dutra