No mundo do Terceiro Setor, quando falamos de fatores críticos para o sucesso de um projeto de desenvolvimento as primeiras coisas que nos vêm à mente são os eixos tradicionais de gerenciamento de um projeto, como cronogramas, orçamentos, se o escopo do projeto está claro, quem será a equipe que vai executar o projeto, como se dará o monitoramento e avaliação – a lista é longa e pode ser complementada com metodologias como o PMI. Para a Aventura de Construir estas questões sempre foram levadas bem a sério, basta lembrar-se das dezenas de relatórios trimestrais realizados esmiuçando estes temas e muitos outros.

O que pouco se encontra a respeito dos fatores de sucesso de um projeto é a respeito da participação dos beneficiários em sua execução, para além da criação do seu escopo. Foi diante desta constatação que passamos a olhar mais de perto as experiências com as quais temos parcerias, e foi através da Associação dos Trabalhadores Sem Terra de São Paulo (ATST-SP) que encontramos o caminho mais recentemente trilhado para fortalecer a efetividade do nosso projeto: nós passamos a aceitar o pedido de inclusão de microempreendedores como Associados Colaboradores da Aventura de Construir.

A ATST-SP é uma associação que aglomera pessoas interessadas em comprar coletivamente grandes porções de terra nas periferias da cidade de São Paulo, loteia o terreno e ajuda que cada pessoa construa sua própria casa com um pequeno projeto civil. O processo todo pode levar anos e durante este tempo os interessados em adquirir o terreno participam de reuniões sobre o andamento do processo de compra, mas que também trazem um juízo sobre aquela luta pessoal que cada um está individualmente e coletivamente desenvolvendo. É estando junto dos beneficiários todo o tempo em reuniões quase diárias que a ATST-SP consegue não só entender melhor o seu público alvo, mas também fazer com que eles se apropriem da ATST-SP. Essas ações são uma via de mão dupla, em que os beneficiários participam da execução do projeto e em que a organização consegue ter cada vez melhor consciência sobre os verdadeiros desafios do projeto.

A Aventura de Construir entendeu que era preciso ir a fundo, pois além de trazer o Associado Colaborador formalmente para a Associação era preciso criar novos mecanismos de contatos, além daqueles já existentes. Dessa forma, o Associado Colaborador tem acesso a encontros exclusivos com os dirigentes da Aventura de Construir e com nossa rede ativa de parceiros em que poderão aprofundar seus conhecimentos sobre temas de negócios, de desenvolvimento humano e em que haverá troca de experiências reais. Devido ao valor reconhecido em nosso trabalho, ele também se torna um promotor do projeto para seu bairro e seus conhecidos. Tudo é parte de um processo educativo que objetiva o desenvolvimento do empreendedor em protagonista do seu futuro, inclusive nos projetos sociais dos quais se beneficia.

Claro, há sempre requisitos básicos para a criação de uma associação, como um trabalho em grupo sério e constante, uma boa equipe e corpo diretivo, bem como um financiador que confia no trabalho desenvolvido porque vê resultados concretos na melhoria de vida e de trabalho do seu público alvo, como no caso da Aventura de Construir. Os desafios também não faltam, como as dificuldades burocráticas que surgem no meio do caminho e um processo de amadurecimento necessário a todos os envolvidos que só chega com o tempo.

Leve em consideração, caro leitor, no entanto, os benefícios de ter o seu publico alvo tão próximo no cotidiano do seu projeto de desenvolvimento. A presença deles é inestimável e sua ausência deve verdadeiramente ser levada mais a sério ainda.

Silvia Caironi

Adriano