Cooperação e desenvolvimento: o que temos a ver com isso?!

Pauta comum no ecossistema do investimento social privado no Brasil, os processos de cooperação e desenvolvimento territorial também deveriam ocupar largo espaço nas organizações intermediárias que atuam diretamente com o público receptor de diferentes iniciativas sociais.

Talvez não seja óbvio ao leitor que desconhece o trabalho da Aventura de Construir (AdC) compreender exatamente porque estamos abordando este tema, por isso vale a pena sempre retomar qual é a missão da organização. A AdC entende que transformações humanas e socioeconômicas em regiões vulneráveis só podem ocorrer se tais locais foram desenvolvidos, o que significa levar desde melhorias de infraestrutura (como acesso à água potável, saneamento, saúde pública e educação básica) até melhorias propriamente humanas, que envolvam o amadurecimento de aspectos pessoais, financeiros e profissionais de cada pessoa. 

Somente quando melhoramos esses fatores humanos podemos também melhorar o ambiente de modo integral, por isso nossa missão é o DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL INCLUSIVO! Ao gerar protagonismo pela centralidade da pessoa passamos a atuar com uma visão G-Local, o que permite à pessoa impactada de forma positiva tornar-se multiplicadora em seu território e ampliar o alcance da transformação pela qual ela foi inicialmente beneficiada e transformada! Ou seja, a cooperação em prol do desenvolvimento territorial funciona como uma engrenagem: só quando todos atuam juntos e no tempo certo é que a máquina pode operar com qualidade!

Nas últimas décadas, pelos menos desde os anos 1990, com a diminuição da intervenção dos Estados e a urgência de responder de forma mais próxima às necessidades, vemos crescer exponencialmente o número de projetos no Terceiro Setor e seu correlato destaque no cotidiano social, tanto brasileiro quanto internacional. A questão que fica, muitas vezes, é: mas como o Terceiro Setor, que vem se mostrando cada vez mais importante para o desenvolvimento territorial, pode seguir atuante e relevante sobre o tema?

A resposta é mais simples do que parece: COOPERAÇÃO!

É através da cooperação, seja por parte do investimento social privado ou da gestão pública, que o Terceiro Setor pode atingir a sustentabilidade necessária para executar projetos que gerem impacto socioambiental positivo (e mensurável)! Aliás, impacto mensurável deve ser uma grande condicionante para articulações de parcerias bem sucedidas. 

Quer um exemplo da AdC sobre uma parceria de cooperação? Podemos citar o projeto Aprender para Transformar, financiado pela Fundação Caterpillar dos Estados Unidos. Veja abaixo um resumo sobre os resultados desta cooperação:

  • Educação financeira para 150 pessoas, sem distinção de sexo, idade, gênero, religião, ofício ou qualquer outra segmentação na cidade de Sao Paulo.
  • Início: Janeiro 2019 / Fim: Agosto 2019
  • Objetivo:  Gerar mudança de atitude em relação ao uso pessoal e profissional do dinheiro e atuar alinhados às metas dos ODS 1, 4, 5, 8, 10, 11, 17.
  • Indicador: Organização pessoal e controle financeiro.
  • O que fez concretamente: Fomentou educação financeira para um público diverso.
  • Na vida real significou consolidar atitudes positivas frente ao uso dos recursos financeiros, promovendo conhecimento, apoio psicológico e facilitando a renegociação de dívidas.

Quer entender mais um pouco sobre esta tal de Cooperação?

No encontro do GIFE (Grupo de Institutos Fundações e Empresas) realizado dia 21/10 sobre Cooperação e Desenvolvimento, Fernanda Toledo – representando a Fundação Alphaville – afirmou algo que a AdC está totalmente alinhada, seja estratégica ou metodologicamente: 

“O território é um espaço que deve ser apropriado socialmente através de construção coletiva e apoio mútuo!”

Essa é a perspectiva pela qual enxergamos o território e partimos para promover iniciativas que respondam realisticamente às diferentes e comuns demandas regionais. 

E, para finalizar com chave de ouro, vale retomar a reflexão feita por Diane Pereira Sousa, do Instituto Comunitário Baixada Maranhense. Ea compartilhou conosco que para sairmos da escassez e chegarmos à abundância precisamos ampliar as oportunidades a partir do próprio território! Isso significa enxergar esses lugares não só a partir de suas vulnerabilidades já tão conhecidas, mas também de suas potencialidades!

Quer cooperar com a gente?! Escreva para contato@aventuradeconstruir.org.br e conte como você ou sua empresa/organização quer cooperar com nosso missão de desenvolvimento territorial inclusivo!

Aventura de Construir